Exame Admissional

Exame Demissional

Renovação de Carteira de Motorista

Acuidade Visual

Audiometria

Brigada de Incêndio

PCMSO e PPRA

CIPA e PCMAT

DEMAIS NRs

 
CLÍNICA METRÔ PARADA INGLESA
Endereço: R.Manuel Taveira 37/39 - Parada Inglesa
E-mail:
clinicaparadainglesa@gmail.com
Telefone: (11) 2989-9902 // (11) 2989-5747
 

APOIO:

Exame Médico e Psicotécnico Para Motoristas Credenciado - Atendimento Portadores Deficiências

 
Receba Novidades da Clínica Por E-mail:
Nome:
E-mail:
 

Site Atualizado em: SETEMBRO/2018

 
E-Mail para Emissão de LAUDOS MÉDICOS
laudos.paradainglesa@gmail.com
 



Acidente com produtos químicos causa morte de operário
Data: 12 de setembro

Um operário de 34 anos morreu em decorrência de acidente com produtos químicos, em uma indústria química de Suzano (SP) nesta quinta-feira (12), conforme informou o Corpo de Bombeiros do município. O homem inalou um gás que teria sido provocado por uma reação química no local. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu. Segundo a Prefeitura, até as 15h, pelo menos 59 pessoas eram atendidas no Pronto-Socorro municipal e foram mantidas em observação.
De acordo com o sargento Clodoaldo Cardoso de Sá, que coordenou o trabalho de resgate no local, o acidente foi por volta das 9h30, na Rua Antônio da Surreição, na Chácara Nova Suzano, região do bairro do Raffo: "Assim que chegamos, nós encontramos a vítima já na parte externa da empresa. Ele estava em parada cardiorrespiratória. Fizemos os primeiros atendimentos e o encaminhamos ao Pronto-Socorro de Suzano. Mas, ele não resistiu e o médico constatou o óbito", detalhou o sargento.
Ainda segundo os bombeiros, além do operário, outros 33 funcionários de uma empresa vizinha também se sentiram mal no momento do acidente. "Eles estavam com náuseas após terem inalado o produto", explica o Sargento Cardoso.
Por volta das 15h, a Prefeitura de Suzano informou que a diretoria do Pronto-Socorro informou que, além do rapaz que morreu, no total, 59 pessoas deram entrada no ambulatório com quadro de intoxicação. Eles permaneciam internados em observação.

Fonte: Revista Proteção